quer lançar o novo Facebook – TW


Último Donald Trump: quer lançar o novo Facebook

Engana-se quem pensava que Donald Trump já havia dito sua última palavra depois de perder a eleição presidencial para Joe Biden e foi suspenso no Twitter, Facebook e Instagram. Neste fim de semana, descobriu-se que o presidente mais polêmico da história dos Estados Unidos, que fez do uso das redes sociais um de seus sinais de identidade mais reconhecíveis, está preparando o lançamento de uma nova rede social própria nos próximos “dois ou três meses”.

Jason Miller, assessor de Trump, foi quem fez o anúncio do retorno do ex-presidente às redes sociais no programa Fox News #MediaBuzz, e garantiu que «isso redefinirá completamente o jogo, já que todos estão esperando para ver o que o presidente Trump fará exatamente».

Até o momento não há muitos mais detalhes sobre essa possível nova rede social, além do fato de Trump ter se reunido com diversas equipes de desenvolvimento e empresas na residência do político americano em Mar-a-Lago, na Flórida. Miller ousou prever que essa nova plataforma será um sucesso entre seus constituintes mais leais, prevendo que atrairá «dezenas de milhões de pessoas».

Após o ataque ao Capitólio por grupos de extrema direita em 6 de janeiro e a decisão dos chefes do Twitter e do Facebook, Jack Dorsey e Mark Zuckerberg, de expulsar Donald Trump de suas redes sociais, havia outras alternativas que começaram a ganhar vôo entre usuários com ideologia de extrema direita, como os casos de Parler e MeWe. No caso do primeiro, Apple, Google e Amazon o vetaram devido ao excesso de mensagens de ódio, racismo e discriminação que se acumularam.

Trump está preparando seu retorno ao mundo das redes sociais com sua própria plataforma

Veterinários da Amazon, Microsoft e Google

Como reportado Prazo final, O retorno de Trump à arena social será mais complicado do que ele e seus eleitores podem esperar, já que é improvável que empresas como Amazon, Microsoft ou Google possam hospedar uma plataforma liderada por ele. Para realizar um projeto deste calibre, o ex-presidente teria que contar com empresas muito menores ou estrangeiro, para que a meta ambiciosa estabelecida por Miller pudesse se tornar uma meta utópica.

Parler, a rede social que serviu de refúgio nos dias após o veto de Trump às principais plataformas, tinha cerca de 20 milhões de usuários antes que o Google e a Apple a retirassem de suas respectivas lojas. Essa extrema vigilância dos proprietários das principais lojas de aplicativos, o inevitável domínio que o Facebook e o Twitter continuam a exercer no mercado e a menor relevância da figura de Trump dois meses depois (serão quatro quando for feito o suposto lançamento de sua rede), definitivamente jogar contra ele.

A atividade pública de Donald Trump foi significativamente reduzida já que entregou o poder em 20 de janeiro, mas isso não implica em sua retirada definitiva da política. Ele e aqueles mais próximos a ele garantem que ele continuará na lacuna para disputar as eleições de 2024, e Jason Miller também disse em sua última aparição na televisão que continuará a mostrar seu apoio público a vários candidatos republicanos nos próximos dias.

Mais novidades sobre redes sociais

Este personagem de ‘The Mandalorian’, disparou por sua atividade nas redes sociais

O TikTok também removerá os vídeos de incitação de Donald Trump

Os 10 maiores perigos da mídia social para crianças e jovens

ClickRadioTV, uma rádio que transmite pela Internet, redes sociais e pelo ar






Publicado en TuExperto el
2021-03-22 08:45:00

Autor:
Agustín Galán

Visite el articulo en origen aqui

(Visited 13 times, 1 visits today)

Te podría interesar